10 de junho de 2009

Olho para a serra e vejo Pascoaes

(Foto: o convento e a montanha)

Frei João Bernardes

Pela serra de Sintra, onde murmura

A água, sob a verde ramaria,

(Na solidão, ausência da criatura

Mas presença de Deus) ele vivia

E mais uma gazela. Companhia

Amorável e doce! Com ternura,

Compunha versos místicos, e os lia

Às flores, à gazela, à água pura.

E nos olhos da sua companheira,

O Santo via a aurora, a luz primeira

Que o mandava rezar ao Criador.

E nos olhos do Santo, ela avistava

A estrela vespertina que a mandava

À gruta recolher, em paz e amor.

Teixeira de Pascoaes, As Sombras, 1907.

1 comentário:

  1. Maravilhoso poema, maravilhosa fotografia do antíquissimo lugar das "Pedras Irmãs".

    ResponderEliminar