25 de janeiro de 2010

Eu bem sei que nunca devemos voltar aos blogues onde fomos felizes...















Foto: SOS Capuchos


Soneto da pedra na floresta antiga


Somos a pedra que na terra antiga
fora afeiçoada pelas mãos pacientes,
e abandonada à chuva dos milénios,
as árvores lhe entraram pelo rosto


A dor nos invadiu e dilacera
e a humidade da selva nos devasta.
Tudo o que outrora foi forma e quebranto
desfaz-se hoje no abraço das raízes.


Resta a esperança de salvar a vida,
acolhendo um destino vegetal,
que envolva a rocha mas preserve os olhos.


E pela humilde aceitação da sorte,
mutilados embora, mas presentes,
guardaremos as almas na floresta.


                          Odylo Costa Filho, Antologia da Poesia Brasileira, José Valle de Figueiredo (Odylo foi adido cultural à embaixada do Brasil em Lisboa: alguma coisa me diz que há um rasto sintrense neste soneto).

Sem comentários:

Enviar um comentário