11 de março de 2012

Água da Sabuga


Fonte: Restos de coleção

7 comentários:

  1. Interessante o post, desconhecia ter sido esta água comercializada, só recordo, da ifância, ir até esta fonte com os meus pais para encher garrafões para consumo doméstico. Lembro-me ainda, anos mais tarde,de ter estado a fonte com o aviso de «água não controlada», como outras em Sintra.

    ResponderEliminar
  2. Também achei curiosa esta informação sobre a água da fonte da Sabuga ter sido comercializada. Era interessante saber em que ano isso teria acontecido.
    Hoje, em Sintra, ninguém dá importania às fontes que, ou estão secas porque as canalizações apodreceram e a água se perde pela serra ou, diz-se, que não é controlada.
    É pena ...
    emília reis

    ResponderEliminar
  3. Há cerca de 15 anos, mais coisa menos coisa, encontrei uma antiga exploração comercial de água perdida no meio da serra, nas proximidades dos Capuchos: a Água da Fonte das Damas.

    Era uma espécie de barracão, situado junto a um caminho muito escondido que ligava o Convento dos Capuchos às proximidades de Colares, mais concretamente à aldeia do Penedo e às traseiras da Quinta do Carmo. O barracão estava praticamente vazio, já sem maquinaria nenhuma, mas havia milhares de rótulos de garrafa muito coloridos espalhados pelo chão. Apanhei um rótulo para trazer como recordação, mas já não sei dele. Pelo aspecto gráfico dos rótulos, eles deveriam datar dos anos 60 ou 70.

    Ainda que mal pergunte: será que alguém se lembra desta água?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tb passei por lá há quase há 30 anos por esses papeis do chao

      Eliminar
  4. Conheço a fonte e o barracão a que se refere, que há poucos anos ainda lá estava. Fica numa zona a que chamam a Tapada da Torta. É realmente um lugar muito recôndito.

    ResponderEliminar
  5. Tanto quanto julgo saber a comercialização da água da fonte da sabuga foi nos década de 40.
    Por mero acaso encontrei em casa dos meus avós duas garrafas de 3 dcl. com gravação no próprio vidro de ÁGUA DA SABUGA.

    ResponderEliminar
  6. Caro Anónimo,

    Seria muito interessante fotografar e divulgar essa gravação.

    ResponderEliminar